26 de jan de 2011

Estratégia ou desperdício?



A partir da primeira década dos anos 2000 as ações de merchandising em novelas, séries e filmes nacionais, tornaram-se peças básicas na composição da estratégia de promoção de uma marca ou produto.

É comprovada a eficiência destes meios de comunicação uma vez que com a modernização dos aparelhos de televisão e do advento das famosas TVs a cabo/satélite, praticamente todos usuários navegam entre um canal e outro durante os intervalos comerciais. Já com a ação de promoção do produto dentro da própria história, a comunicação é feita sem esta ameaça.

Porém faço um questionamento: será que este meio vem sendo usado da forma mais adequada e eficiente?

Fiz este auto-questionamento ao assistir o remake: Ti-Ti-Ti. Em 1985, durante a veiculação da primeira versão, uma marca de batom ganhou imensa popularidade: o Boka Loka. Produzido pela Davene, virou uma febre de vendas com seu apelo popular.


Já na versão atual da novela, a Avon, que fez parceria para promover o batom desta edição noveleira, usou o Mega Impact como produto.





Apesar das várias menções ao produto durante o folhetim das 19h, o produto que não possui um nome “impactante” para o público mais popular, não consegue ganhar a mesma abrangência de seu antecessor. E para piorar, as propagandas do produto (importadas e com locução em português) não fazem qualquer link com o produto que é promovido em Ti-Ti-Ti.

Em minha opinião: um desperdício em vista da popularidade da novela e o investimento feito tanto na ação de merchandising, como na de propagandas que são desconexas!

Concordam? Opinem!